18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Palmeiras é recebido com festa em São Paulo após tricampeonato da Libertadores

Elenco do Palmeiras comemora o tri da Libertadores com a sua torcida
Elenco do Palmeiras comemora o tri da Libertadores com a sua torcida. Foto: Reprodução Twitter / Palmeiras

Tricampeão da Conmebol Libertadores após derrotar o Flamengo por 2 a 1, no Estádio Centenário, no Uruguai, o Palmeiras foi recebido com muita festa por sua torcida, em São Paulo, nesta madrugada.

Saiba como apostar no Brasileirão

E, obviamente, não faltou provocação ao rival rubro-negro: “Libertadores eu sou tri, Brasileirão vou nem falar. Cheirinho é o c…, nóis tá em outro patamar”, cantaram os jogadores ainda no avião que os levou de volta ao Brasil.

Depois, no trio elétrico, mais provocações. Foi difícil para o palmeirense dormir. A festa varou a madrugada. Após o contato com os torcedores, o elenco palmeirense comemorou em uma festividade particular dentro do Centro de Treinamento.

Um dos jogadores mais festejados pelo torcedor palmeirense foi o atacante Deyverson, autor do gol do título. Na entrevista coletiva concedida após a conquista do título, o técnico português Abel Ferreira brincou:

– É um sapinho que nós beijamos e transformamos num príncipe.

Deyversou retribuiu o carinho:

– Tive altos e baixos, mas sempre trabalhei, respeitando o momento do treinador. É para o bem do clube, da equipe. Muitas vezes não entrei, mas sempre fui profissional. O gol do título é do Deyverson? Não foi. Foi do Palmeiras. Falando olhando para ele, sou muito grato pelo que fez por mim. Obrigado por ter me trazido de volta ao clube que amo. Não é puxa-saco. É gratidão.

– Ele faz uma renúncia, deixa a família em Portugal. Às vezes, as pessoas pegam pesado nas críticas, passam do limite. Mas o torcedor é apaixonado. Não estou aqui para falar o que é certo ou errado. Minha palavra de hoje é gratidão – acrescentou o artilheiro.

Abaixo, mais trechos da coletiva do técnico Abel Ferreira após o título:

Futuro“Tenho que fazer uma reflexão com a família. Não consigo jogo, descanso, jogo. Não é pra mim. Não consigo estar na minha máxima força. É desumano o que fazem aqui. Se quiserem crescer, têm que abdicar do ida e volta na taça. Vou parar, refletir e fazer o que for melhor para o Palmeiras”.

Livro sobre o Palmeiras“Não temos nenhum livro de treinadores brasileiros. Estou há um ano com minha equipe técnica a escrever um livro, para explicar tudo o que fizemos durante um ano. E esse livro vai sair em janeiro, e vão ter lá todas as histórias, nosso trabalho, nosso projeto, é nossa forma de agradecer ao futebol brasileiro. Ele está feito, falta ser publicado. Escrevo um livro onde vou responder minuciosamente a todas as perguntas”.

Escolhas na escalação da equipe“Vou partilhar com vocês. Coloquei todos numa sala e disse: “Vou fazer isto”. Que queria fazer isto, isto e isto. Mas que só o faço se todos se sentirem confortáveis. Se estiverem dispostos a cada um cumprir sua missão. Tivemos um dos capitães que só respondeu assim: “Se é para ganhar, cada um aqui vai fazer o que for preciso”. Esta é a forma que eu encontro de derrotar um rival muito qualificado, e hoje pudemos ver isso aqui dentro.

Tem um dos melhores treinadores brasileiros, e que agora não comecem a falar mal do homem, a dar porrada, porque eu poderia perder também. Tem de começar a ter uma cultura diferente, não ter que achar um herói, um vilão. Eu não sou herói, sou o mesmo que criticaram, e portanto nosso adversário valorizou ainda mais nossa vitória. Valoriza ainda mais a montanha que tivemos de escalar. Para isso, precisava de uma coisa fundamental: os nossos jogadores acreditarem na estratégia.

Como é que o treinador, de repente, troca o Scarpa do corredor, troca o Dudu de corredor, troca o Veiga de corredor e mete o Piquerez de terceiro zagueiro. Se eu ganho, como ganhamos, sou um gênio. Não sou um gênio, sou uma pessoa humilde e que trabalha para dar o melhor de si. Se perco sou um babaca, como vocês dizem aqui. Não é assim. O futebol é um jogo. Precisamos de qualidade, competência e um cadinho de sorte. Parabenizo nossos adversários pelo trajeto, pela grandeza, o que engrandeceu ainda mais nossa vitória”.

O que aprendeu / ensinou no Brasil “Volto a dizer, vim para um país que tem a cultura do jogador de futebol. O jogador brasileiro é bom de bola, tem só de se comprometer mais os outros 50% que já falei. Aprendi que para ter o grupo na mão tem que ser igual com todos.

Hoje deixei o Willian fora, o que me custou muito. Aprendi que só sendo todos um é que podemos realmente ganhar títulos. Ensinei algumas coisas, não muitas. Aprendi mais do que ensinei, mas disse ano passado que tenho muito tempo para dedicar ao futebol.

Não tenho família em casa, empregada vai uma vez por mês, o resto sou eu que faço. Como disse, vou lançar um livro. Está feito. Ganhamos a Libertadores, perdemos a Recopa, perdemos a Supercopa, fomos eliminados da Copa, fomos metidos fora por um grande adversário no Brasileirão, o Atlético-MG.

Acima de tudo, um campeonato muito competitivo. E não conheço nenhum campeonato que possa ter tantos campeões quanto o do Brasil”.

Os melhores momentos da final:

Dirigente do Flamengo não banca o técnico Renato Gaúcho

A derrota para o Palmeiras na final da Conmebol Libertadores pode ter sido o último jogo de Renato Gaúcho no comando do Flamengo. Em entrevista concedida no desembarque rubro-negro, no Rio de Janeiro, Marcos Braz, vice de futebol, não bancou a permanência.

– Não tem decisão. Está todo mundo virado, cansado. Com calma e tranquilidade vamos começar a programar. Temos uma programação a ser feita, e na segunda-feira a gente começa a decidir alguns pontos que a gente entenda que possa fazer de correção para que se acabe a temporada. O que posso dizer é que o Renato tem contrato com o Flamengo até 31 de dezembro. Com calma vamos tomar as decisões possíveis – disse o dirigente, segundo o site “Globoesporte.com”.

Braz aproveitou a oportunidade para pedir desculpa aos torcedores:

– Não era o que eu queria. Peço desculpa à torcida, principalmente aos que se empenharam para ir a Montevidéu, mas vida que segue. Vamos tocar da maneira que tem que tocar.

O Flamengo volta a campo nesta terça-feira, no Maracanã, para enfrentar o Ceará, pelo Brasileiro.

–  Já tem treino marcado, toda uma programação feita. Não foi o resultado que queríamos e esperávamos, mas é vida que segue. Temos que fazer os ajustes que tem que fazer com calma. Faltam pouquíssimos jogos no Brasileiro. Jogos importantes para disputar, para que acabe com dignidade o Brasileiro. Em relação a Montevidéu, a gente tem que ter força e tranquilidade para seguir – finalizou Braz.

Andreas Pereira também pede desculpas ao torcedor rubro-negro

O meia Andreas Pereira, que falhou feio no segundo gol do Palmeiras, usou as redes sociais para se desculpar com o torcedor do Flamengo.

“Nação, tô aqui com coração apertado! Hoje eu errei! Não faltou vontade, raça… e nunca vai faltar! Momentos difíceis mostram o caráter do nosso grupo que nesses 3 meses me acolheu na família Flamengo com tanto carinho! Peço desculpas pelo erro de hoje! 🙏🏼😔❤️🖤 Eu prometo, vou reconquistar vocês!”, afirmou.

No jantar deste domingo, o jogador chorou muito com os seus familiares e companheiros de time. E, é claro, recebeu muito apoio.

Leo Santos
Leonardo Santos é jornalista esportivo com passagens por grandes jornais do Brasil como Lance e Grupo Globo. Escreve para o Apostagolos desde 2021.