18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Juan: Lucas Moura equilibra final entre Flamengo e São Paulo

Juan foi campeão da Copa do Brasil pelo Flamengo
Juan foi campeão da Copa do Brasil de 2006 pelo Flamengo. Crédito: IMAGO / PanoramiC

Juan jogou em 13 times diferentes na carreira, além da seleção brasileira, mas nada se compara à identificação que tem com Flamengo e São Paulo, que disputam a final da Copa do Brasil. O primeiro é a equipe onde atuou por mais tempo e conquistou os títulos mais importantes de sua carreira. O segundo é o time do coração na infância, onde se formou jogador e ainda passou já consagrado.

O ex-lateral-esquerdo concedeu entrevista exclusiva ao Apostagolos.com e abriu o jogo sobre como encara a decisão – o primeiro jogo acontecerá neste domingo (17/9), no Maracanã, e o segundo será no Morumbi (24/9). O agora empresário de jogadores na empresa Vegasports reconhece o coração dividido entre Flamengo e São Paulo, vê um dos times com ligeiro favoritismo e tem uma certeza: o são-paulino Lucas Moura trará equilíbrio à grande decisão.

Expectativa com a final entre Flamengo e São Paulo

“Achei a competição muito legal até aqui. Não apenas essa final que teremos, mas as semifinais, as quartas de final. Tivemos grandes times, grandes jogos, com times surpreendendo, como o São Paulo passando pelo Palmeiras.

Leia também: Flamengo vence o Grêmio e enfrenta o São Paulo na final da Copa do Brasil

Tem tudo para ser um grande jogo. Tem o Flamengo, que todo mundo sempre dá como favorito a tudo, desde o começo da temporada, mas também tem um São Paulo que chega com muita força. O time está muito entrosado, competitivo. Certamente vai jogar a vida nessa final, por um título que o clube ainda não tem. A conquista pode colocar esse elenco na história, em um outro nível de carinho por parte do torcedor, de respeito. Lucas Moura chegou jogando muito. Ele vai dar uma equilibrada boa no jogo, no aspecto técnico. Estou torcendo para termos uma grande final”.

Vai torcer para quem?

“Essa final tem um sabor especial para mim, sem dúvida. Fico muito feliz de ver os clubes onde vivi meus momentos mais importantes na decisão. Tenho falado para os amigos que têm perguntado, que estou torcendo por um empate e que a CBF dê o título para os dois times (risos). É sério, não dá para eu torcer por um dos dois. São Paulo foi o time da minha infância, onde comecei, vivi lá dentro. Já o Flamengo foi onde conquistei os maiores títulos da minha carreira, coletivos e individuais. Neste momento, não dá para torcer”.

Flamengo - abril - 2024
Juan foi revelado pelo São Paulo e depois voltou para o time após passagens por Flamengo e seleção. Crédito: IMAGO / Fotoarena

Palpite de quem vence

“Eu ainda diria o Flamengo, pelo elenco que tem. O time não vive o melhor momento, mas ainda é um elenco muito forte. A diferença está um pouco menor agora, uma vez que o Flamengo não está tão bem e o São Paulo vem muito bem, competitivo. A chegada do Lucas Moura deu um “up” de qualidade na equipe. Ainda tem o James Rodriguez, um jogador de altíssimo nível. A diferença diminuiu. Por isso, vejo uma grande final, mas o Flamengo com uma leve vantagem”.

Jogadores que podem decidir o título

“Pelo lado do Flamengo, são muitos. Arrascaeta, que é um baita jogador, quando está bem, faz o time jogar. Tem o Gabigol, que tem estrela em finais de campeonato. E tantos outros jogadores, mas são esses dois são os mais decisivos. Já pelo lado do São Paulo, é o Lucas Moura, sem dúvida”.

Fator Dorival Júnior

“Quando o treinador está no dia a dia de um elenco, ele tem um conhecimento muito maior de um jogador, suas qualidades, suas dificuldades. Ele vai aproveitar isso em prol do São Paulo, vamos ver como vai armar o time, como vai explorar a ofensividade do Flamengo. Ele ganhou títulos importantes com o Flamengo e agora encara o time na decisão”.

O peso das torcidas na final

“A torcida do São Paulo passou a acreditar no time, pegou confiança e passou a apoiar. Estive na semifinal contra o Corinthians, o Morumbi estava com uma energia muito forte. Teve o fator Corinthians também, em que o São Paulo cresce muito. Esse padrão de casa cheia ajuda muito o time, motiva torcedores, time, coloca o time em outra circunstância. Já a torcida do Flamengo é aquilo que a gente já conhece, aquela força, não para de cantar. Ela é o charme e a força que o Flamengo tem para jogar no Maracanã. Sem dúvida, são dois grandes palcos do nosso futebol”.

Bruno Marinho
42 artigos
Jornalista esportivo com passagens pelas redações do 'Lance', do 'Extra' e do 'Globo', com a cobertura das Copas do Mundo de 2014, 2018 e 2022 no currículo. Apaixonado por esportes e boas histórias.