18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

‘Tenho certeza de que a McLaren desafiará a Red Bull e a Mercedes’, diz Emerson Fittipaldi

Emerson Fittipaldi é um dos gigantes do automobilismo brasileiro
Emerson Fittipaldi é um dos gigantes do automobilismo brasileiro. Foto: IMAGO / CTK Photo

Antes do início da temporada da Fórmula 1, no Bahrein, neste fim de semana, sentamos com o bicampeão mundial de Fórmula 1 e ganhador das 500 Milhas de Indianápolis, Emerson Fittipaldi.

A lenda brasileira falou ao site VegasInsider.com sobre suas expectativas para a próxima temporada, como George Russell vai se sair na Mercedes e por que realmente não sabemos o que vai acontecer neste fim de semana.

Ele também falou sobre a Haas entrar em uma nova temporada com Kevin Magnussen de volta à equipe e, por último, compartilhou seus pensamentos sobre a corrida final da temporada passada.

Previsões iniciais – vamos ver uma batalha semelhante nesta temporada entre Lewis Hamilton e Max Verstappen, ou há alguém lá que possa desafiar esses dois?

“Eu espero que a McLaren e a Ferrari sejam muito rápidas este ano. Acho que essas duas serão as surpresas nesta temporada.”

“Se você olhar para os últimos três anos, a progressão que a McLaren fez foi incrível. E eu sei que a Ferrari trabalhou muito consistentemente na temporada passada para preparar o novo carro para as novas regras.”

“Na minha opinião, teremos uma surpresa da McLaren.”

“A Mercedes e (Max) Verstappen estarão competindo, com certeza. Mas acho que será possível que vejamos pelo menos mais duas equipes lá em cima no nível deles. Porque, quando você faz uma nova regra, ela iguala todo mundo. Todo mundo está no mesmo barco.”

“Tenho certeza de que a McLaren desafiará a Red Bull e a Mercedes. A McLaren teve alguns resultados muito bons no ano passado e eles estão correndo forte. Eles têm uma nova organização. Tudo está indo bem. Lando Norris é extremamente rápido. Daniel Ricciardo é um piloto nato. Ele está sempre lá e é rápido também. Acho que será um ano muito interessante.  E podemos ter ainda mais surpresas de outras equipes. Mas tenho certeza que a McLaren será forte – o mesmo com a Ferrari.”

“Acho que a McLaren tem trabalhado muito nas novas regras para o novo carro desde o ano passado. Eles têm capacidade, experiência, eles têm uma forte história e retrospecto, e sob Zac Brown eles refizeram a equipe – eles são muito mais fortes do que antes.”

Quais são suas expectativas em relação ao novo piloto da Mercedes, George Russell, nesta temporada? Ele terá algum problema para se encaixar?

“Acho que pelo que vimos no ano passado, George Russell no Bahrein mostrou seu potencial como piloto. Ele deu um show naquela corrida. É incrível. E tenho certeza que ele estará muito próximo de Lewis, com menos experiência na equipe. Eu diria que você precisa de dois ou três Grandes Prêmios para se adaptar à equipe. Mas ele vai desafiar Lewis na minha opinião. Ele é um piloto muito talentoso e agressivo.”

“Ele correu bem no carro da Williams. Sabemos o quanto ele causou surpresas nas corridas da Williams.”

 “Esta temporada deverá ser uma das temporadas mais emocionantes da história da Fórmula 1.”

Para esta corrida no Bahrein, quem você acha que vai ganhar e quem vai nos surpreender mais?

“Nunca sabemos exatamente o que as equipes estão fazendo, como quanto combustível eles tinham no tanque quando faziam os tempos de volta e assim por diante. Eu acho que, com certeza, depois das classificatórias, saberemos exatamente como estão. Até agora podemos ter uma grande surpresa. É difícil dizer nesta fase. Teremos que esperar as classificatórias para ter certeza.”

“Deve ser uma classificatória emocionante, porque o mundo inteiro vai olhar para quem vai   ser competitivo. Porque, no sábado, quando as classificatórias estiverem sendo realizadas, os pilotos correrão a 110%, as equipes terão os carros desenvolvidos corretamente. Haverá algumas surpresas nas classificatórias, com certeza.”

Quais são seus pensamentos e expectativas para a Haas esta semana com sua nova configuração? Quanto eles vão melhorar nesta temporada e o que você acha da decisão de substituir Nikita Mazepin por Kevin Magnussen?

“Eles têm sido muito rápidos nos treinos.  Mas você sabe, é difícil ver quais pneus eles usam e quanto combustível eles usam, tudo é muito complexo antes das classificatórias.”

“Se você olhar para isso do ponto de vista da equipe, com Kevin Magnussen eles sabiam exatamente o que estavam recebendo, como ele trabalha e como ele se comporta. Sua experiência na equipe é exatamente o oposto da de George Russell na Mercedes. Kevin vai voltar para sua equipe. Eles o conhecem, sua capacidade e seu talento.”

“Fiquei decepcionado por Pietro com certeza, porque ele é o piloto reserva, mas eles tomaram a decisão com Kevin porque eles acharam que era o melhor para a equipe agora. E você tem que respeitar isso, porque eles sabem mais do que nós sobre a capacidade, talento e experiência de Kevin. Kevin foi muito bem e espero que o carro seja mais rápido desta vez.  Será interessante ver Kevin e Mick Schumacher correndo juntos.”

“Poderia haver outra surpresa lá. As novas regras podem ter grandes surpresas. A McLaren andando bem não seria uma grande surpresa, por causa de sua recente progressão – subindo, subindo, subindo.  Mas a Haas pode ser uma grande surpresa para todos. Pode ser uma das equipes a trazer uma grande surpresa.”

Você acha que a Mercedes pressionou a FIA para substituir Michael Masi como diretor de corridas?

“Minha opinião é que as regras dizem que ele poderia fazer o que ele fez. Foi muito controverso, com certeza.”

Quando vi o (Max) Verstappen chegando aos boxes, minha primeira impressão foi que eles cometeram um erro e essa decisão fez com que perdessem o campeonato.  Ninguém poderia evitar o acidente e que eles ficariam atrás de um safety car. E ele (Michael Masi) fez o que o livro disse que podia fazer. Isso faz parte do esporte e da emoção, na minha opinião. Poderia ter sido o inverso – Lewis Hamilton chegando ao pit e Max vencendo, e Lewis ultrapassando Max.”

“Fiz 12 temporadas na IndyCar e isso aconteceu muitas vezes. O único cara que não gosta do safety car é o líder. Todo mundo adora e está sorrindo dentro do cockpit. Isso faz parte do esporte e do show. Nem todo mundo pode ser feliz, porque as coisas vão acontecer contra você – circunstâncias estão contra você. Isso faz parte da vida. É parte do esporte.”

Diana Figueiredo
132 artigos
Diana Figueiredo é jornalista há mais de 15 anos, carioca e, atualmente, mora em Paris, na França Trabalhou no Jornal Extra e no Jornal O Globo de ...