18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Seleção Brasileira empata com a Argentina em jogo violento, em San Juan

Raphinha levou uma cotovelada de Otamendi
Raphinha levou uma cotovelada de Otamendi. Foto: Lucas Figueiredo / CBF

A Seleção Brasileira ficou no empate em 0 a 0 com a Argentina, nesta quarta-feira, em San Juan, em jogo válido pela 14ª rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo. Mesmo sem Neymar, poupado, a equipe de Tite fez uma boa partida e jogou de igual para igual com os hermanos, atuais campeões da Copa América.

Saiba como apostar em partidas de futebol

Devemos destacar também a violência dos argentinos e a conivência da arbitragem. No primeiro tempo, o atacante brasileiro Raphinha tomou uma cotovelada do zagueiro Otamendi e caiu no chão já sangrando. O árbitro e o VAR ignoraram o lance e não puniram Otamendi. E não deram falta. Um verdadeiro absurdo.

–  Eu vou tirar a máscara para falar. E vou falar o que falei no vestiário para a arbitragem. E vou assumir. O Cunha é um extraordinário árbitro, a qualidade técnica e percepção deles são altíssimas, um aspecto disciplinar muito alta, mas arbitragem exige uma equipe de trabalho. Quem está no VAR… É simplesmente impossível, vou repetir, é simplesmente impossível, não ver a cotovelada do Otamendi no Raphinha. Isso ia determinar no resultado? Não sei. Grande jogo entre os dois? Grande jogo. Mas tem um componente que tem que ser igual – disse o revoltado Tite.

– Para quem tem o discernimento de ver, assim como meu agradecimento a cidade de San Juan, a forma educada que nos recebeu. Não recebi um insulto enquanto estive no banco de reservas. Fora dos padrões normais, muito obrigado San Juan por acolher e respeitar o profissional. O outro lado. Árbitro de alto nível de VAR não pode trabalhar desta forma, é inconcebível. Não é o termo que queria dizer, estou falando esse porque sou educado – acrescentou o treinador da Seleção Brasileira.

Polêmicas de lado, falemos do jogo. O Brasil poderia ter saído de San Juan com a vitória. Teve boas chances para marcar. Em uma delas, Matheus Cunha quase fez um gol antológico por cobertura do meio de campo. Em outra, Fred acertou o travessão. Em mais uma, Vinicius Júnior cortou para dentro e chutou forte. O goleiro defendeu.

Vinicius Júnior, aliás, fez uma grande partida. Partiu pra cima dos adversários sem medo de ser feliz. Talvez tenha sido o grande jogo do ex-jogador do Flamengo com a camisa da Seleção Brasileira. Em um dos lances, Vinicius aplicou uma lambreta no adversário. Espetacular.

Defensivamente, a Seleção também foi bem. Partida perfeita da linha de zaga com Alisson, Danilo, Militão, Marquinhos e Alex Sandro.

Já classificada para a Copa do Mundo, a Seleção Brasileira segue invicta nas Eliminatórias. Agora são 35 pontos, seis a mais que a Argentina, vice-líder. Os hermanos também garantiram classificação na Copa do Qatar.

Abaixo, mais trechos da entrevista de Tite

O jogo –  “O jogo teve recursos técnicos extraordinários, as duas equipes premiam a articulação. A Argentina procura o De Paul para assessorar o Messi e acionar Lautaro ou Di María. Tínhamos o Vini e Raphinha para atacar espaços, um modelo de equipe mais vertical. Um gramado que proporciona uma qualidade muito boa. Um espetáculo com alternâncias. Uma equipe que tinha um pouco mais a bola, e a outra que era mais vertical, mas ninguém controlava o outro”.

Jogo nível Copa do Mundo?“Sim! O nível técnico das duas equipes, a marcação posicional e forte das duas equipes, os embates individuais, a alternância de momentos de controle… É jogo de Copa do Mundo”.

O atacante Matheus Cunha também falou. Abaixo, alguns trechos

Estreia como titular“Primeiro quero agradecer muito a Deus pela oportunidade de começar como titular com a camisa do Brasil, o peso que ela carrega. Sem dúvida nenhuma, principalmente por ser esse clássico que sonhamos desde criança. É um jogo que vai ficar marcado na minha história e na minha cabeça para sempre. Estrear contra a Argentina, um jogo muito duro, que a gente sempre sonha em jogar, é muito orgulho e gratidão. Sempre tento fazer o melhor. Dentro de campo mostramos que somos o Brasil, independente de quem joga. Todo o tempo buscando os três pontos. Saio tranquilo pois dei meu máximo. Trabalhamos para estar na Copa, mas a concorrência é dura e sadia entre os jogadores, o que me resta é fazer minha parte”.

De olho na Copa do Mundo“O mais importante é fazer todo o possível para agarrar a oportunidade. É importante somar minutos, acredito que isso é o que vai me fazer grande, que eu continue crescendo na Seleção ou no Atlético, com muita paciência, trabalho e humildade. Essas são as três coisas mais importantes no momento”.

Jogo violento “Brasil e Argentina é sempre muito pegado, batalhado. Eu já tinha jogado pela seleção olímpica e não muda nada, tem as mesmas características. É muito brigado, uma luta por cada espaço no campo. Acredito que essa foi nossa maior dificuldade, tanto para nós, como para eles. Mas saímos tranquilos, mantemos a invencibilidade. Só um pouquinho de infelicidade em não sair com três pontos, mas respeitando a Argentina que tem uma grande equipe”.

Árbitro do campo e do VAR são suspensos

A Conmebol suspendeu por tempo indeterminado o árbitro uruguaio Andrés Cunha e o assistente do VAR Esteban Ostojich por conta do erro grave no lance de Raphinha. A revisão considerou que o lance teve “uso indevido do braço” com “intensidade média”. Ou seja, Otamendi deveria ter sido expulso.

Confira as seleções já classificadas para o Mundial: Qatar, Alemanha, Dinamarca, Brasil, Argentina, França, Bélgica, Croácia, Espanha, Sérvia, Inglaterra, Suíça e Holanda.

Leo Santos
Leonardo Santos é jornalista esportivo com passagens por grandes jornais do Brasil como Lance e Grupo Globo. Escreve para o Apostagolos desde 2021.