18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Palmeiras mostra força mental absurda e consegue empate heróico nas quartas da Libertadores

Dudu e Alonso disputam bola no Atlético-MG x Palmeiras
Dudu e Alonso disputam bola no Atlético-MG x Palmeiras. Foto: IMAGO / TheNews2

O Palmeiras de Abel Ferreira é um time muito difícil de ser batido. Não se dá por vencido em nenhum momento. E provou isso na noite desta quarta-feira contra o Atlético-MG, no Mineirão, no jogo de ida das quartas de final da Copa Libertadores. O Alviverde chegou a estar perdendo por 2 a 0, mas foi buscar o empate nos minutos finais. Agora, chega com muita moral para o jogo de volta, semana que vem, no Allianz Parque. Obviamente, o Atlético, de Cuca, tem um time cascudo e todas as condições de conseguir a classificação.

Saiba como apostar na Libertadores

Hulk, de pênalti, abriu o placar para o Galo. Murilo, contra, ampliou. Murilo e Danilo, já no fim da partida, empataram. No primeiro tempo, é bom lembrar, o Atlético-MG teve a chance de matar o confronto. Perdeu pelo menos três chances na cara do gol. E aí, deu chance ao azar. A força mental do time do Palmeiras é uma coisa absurda.

O time do técnico Abel Ferreira cresceu no segundo tempo, conseguiu o empate. E olha… não seria nenhum absurdo se virasse a partida. Dudu, apesar de ter dado a assistência para o gol de Danilo, perdeu um gol inacreditável, cara a cara com o goleiro Everson.

– (A recuperação no jogo) É fruto de muito trabalho dos nossos jogadores, que têm uma crença e mentalidade competitiva muito forte. É uma equipe que tem sucesso porque sabe que se der o máximo nos treinos e jogos, o treinador aceita qualquer resultado. Tem que dar em cada lance o melhor de si. Jogamos contra uma equipe muito qualificada, muito bem treinada, nos pressionou muito, nos reduziu espaço, e foi melhor que o Palmeiras na primeira parte – avaliou o técnico do Palmeiras, Abel Ferreira.

Pelo lado do Atlético-MG, Cuca não quis achar um culpado pelo tropeço.

– Não adianta achar culpados. A responsabilidade por este empate/derrota é de todos. Tomamos o gol nos acréscimos, dolorido. O torcedor irá para casa e refletir, que não merecemos a vaia. Deixamos tudo no campo – disse.

O treinador, recém-chegado, vê o duelo em aberto.

– O 2 a 1 e 2 a 2 são muito próximos e eu tenho comigo que tudo que Deus faz é bom. Quarta-feira a gente vai fazer de tudo pra buscar a classificação lá dentro do Allianz Parque. Tá em aberto, quarta-feira que vem, vamos ver o que acontece – finalizou.

As equipes voltam a se enfrentar na quarta-feira que vem.

Leo Santos
744 artigos
Leonardo Santos é jornalista esportivo com passagens por gra ...

Artigos mais recentes