18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Henry defende Neymar no debate sobre saúde mental: ‘Está pedindo ajuda’

Neymar não vive boa fase no PSG
Neymar não vive boa fase no PSG. Foto: Divulgação / PSG

Neymar em pauta. O ex-atacante Thierry Henry, campeão do mundo com França em 1998, trouxe à tona o debate sobre a saúde mental dos jogadores de futebol. O craque francês, que atualmente é auxiliar técnico da seleção belga, citou Neymar como exemplo e demonstrou preocupação devido a algumas declarações recentes do brasileiro.  

– Neymar tem falado muitas vezes em suas entrevistas recentes sobre seu bem-estar e sobre pressão. Então, meu primeiro pensamento é: ‘”Ele está bem? Ele fala, mas você pode ouvi-lo? Ele está pedindo ajuda”. Há coisas acontecendo em sua cabeça, como qualquer ser humano – afirmou Henry. 

Na atual temporada, Neymar atuou em 18 jogos pelo Paris Saint-Germain, marcando apenas quatro gols e dando quatro assistências. Por conta de uma lesão sofrida no final do ano passado, o craque brasileiro passou um longo período longe dos gramados e ainda não conseguiu mostrar seu melhor futebol em 2022, sendo alvo de críticas. Para Henry, o fato extrapola as quatro linhas. Ele também citou o craque argentino Lionel Messi.  

– Quando falamos de Messi ou Neymar, jogadores excepcionais, nos esquecemos dessa dimensão. Quando Lionel chorou ao deixar o Barcelona, ​​não foi programado. Quando pensas que nunca vais sair de algum lugar e de repente acontece, ficas em choque emocional. As pessoas dizem que ele tem tudo o que precisa em Paris, mas não é tão simples – destacou o francês. 

Com a camisa da seleção francesa, Thierry Henry disputou 123 partidas com 51 gols marcados. O ex-jogador, que é ídolo do Arsenal-ING e com grande passagem pelo Barcelona-ESP, fala que a questão sobre a saúde mental era um grande tabu em sua época.  

– Quando eu saí do Arsenal para o Barcelona demorei um ano até ficar bem. Cheguei lesionado, estava em processo de divórcio, tive que aprender um novo sistema. Era muito mais difícil, totalmente tabu. Até no vestiário. Chegavas lá e era: “Está bem? Sim”. Mesmo que as coisas não estivessem bem. Hoje, um jogador pode se abrir mais. Mas se disser que mentalmente não estava bem, o jogo seguinte vai exigir muito de ti. O que é que os torcedores vão cantar? Não é fácil te aceitarem como é – concluiu. 

Leo Santos
539 artigos
Leonardo Santos é jornalista esportivo com passagens por gra ...