18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Grêmio e Bahia são rebaixados no Brasileirão; veja como foi a última rodada

Douglas Costa balançou a rede na vitória gremista
Douglas Costa balançou a rede na vitória gremista. Foto: Lucas Uebel / Grêmio

O campeão já estava definido, mas a última rodada do Brasileirão 2021 foi cheia de emoção. Principalmente na parte de baixo da tabela. As duas vagas da zona de rebaixamento que ainda não estavam definidas ficaram com os tradicionais Grêmio e Bahia.

Saiba como apostar em jogos de futebol

Para ficar na Série A, o Grêmio precisava vencer o Atlético-MG e torcer para derrotas de Juventude e Bahia. A primeira missão, o Tricolor conseguiu cumprir. Venceu o Atlético-MG por 4 a 3, em casa, com gols de Diego Souza (2), Campaz e Douglas Costa. O problema é que, em Caxias do Sul, o Juventude venceu o Corinthians por 1 a 0 e conseguiu escapar da degola.

O Bahia, que só precisava vencer o Fortaleza, fora de casa, perdeu por 2 a 1, de virada, e também entrou no buraco. Dois times tradicionais que dão um até logo para a Série A do Brasileirão.

Vágner Mancini, técnico do Grêmio, manifestou o seu desejo de permanecer no clube para a próxima temporada.

– É óbvio que fico. Quero ficar. Quero fazer parte. Não sou de desistir das coisas. Faço parte de uma geração no Grêmio que foi vencedora da Libertadores como atleta. Por isso aceitei o desafio. Sabia que era difícil. Chegamos muito próximos e não foi suficiente. Não vamos aqui, obviamente, enumerar todos erros – disse o treinador.

Para Mancini, o rebaixamento do Tricolor Gaúcho não se deu por questões extracampo.

– A maior parte dos problemas é resolvida de forma interna. Quando externa, a dimensão é outra. Existem problemas como todos temos dentro de casa, Não posso falar do que aconteceu antes. Nos últimos 50 dias, a gente vê uma relação muito bacana. Apareceram problemas, mas administrados de forma inteligente – opinou.

Por fim, falou sobre a reformulação do elenco.

– Falo de jogadores jovens com mais experientes. Atletas de meia-idade que formem o grosso do elenco. Precisa de jogadores assim, acostumados, vitalidade pra encarar divisão com viagens longas. Nem sempre vai poder ir a todas cidades da Série B de avião. Você passa por um processo diferente. Uma série de coisas que interfere diretamente na montagem do elenco. Será debatido. Quando tiver mais um desenho, vocês vão entender – disse.

Nas redes sociais, o Grêmio fez uma carta emotiva para os seus torcedores:

O momento é de dor para cada um dos mais de 10 milhões de gremistas espalhados pelo Rio Grande e pelo mundo. Dor e indignação — sentimentos mais do que legítimos e que precisam ser ouvidos e respeitados.

Nossa obrigação é pedir desculpas, reconhecer os erros e trabalhar com humildade e energia para corrigir os rumos e enfrentar os desafios que 2022 nos impõe. Temos plena consciência do que nos aguarda. Tenham certeza de que todas as medidas serão adotadas, sem exceção.

No mesmo peito em que hoje bate a dor deste momento, também bate a paixão e o amor que nos moveram em todos os 118 anos de nossa história — das grandes e consagradoras conquistas aos episódios de bravura e superação inacreditáveis.

Que ninguém ouse duvidar de nossa grandeza. Mas não será pela camisa pesada, pelas taças no armário ou pelo tamanho de nosso clube que retornaremos ao lugar que nossa história exige. O Grêmio voltará pelo trabalho sério — com os pés no chão e fazendo o que precisa ser feito —, por uma profunda reformulação e pela força desta nação que nunca deixa de apoiar.

Não há caminho fácil para o tricolor, nossa trajetória está aí para comprovar. Mas é justamente na dificuldade que mostramos o que é o Grêmio — nossa coragem, nossa raça, nossa irresignação, nossa essência.

E não será diferente agora. Mais do que nunca, precisamos lutar. Mais do que nunca, precisamos estar juntos. Mais do que nunca, precisamos de cada associado, de cada torcedor. Mais do que nunca, somos Grêmio. 

Presidente se coloca como responsável por rebaixamento no Bahia

No Bahia, o presidente, Guilherme Bellintani, se colocou como principal responsável pela queda ida à Série B do Brasileirão.

– Sinto essa dor como o principal responsável… Toda a raiva e toda a decepção que o torcedor tem comigo é absolutamente compreensível. Eu sou o grande responsável pelo que aconteceu. As decisões são tomadas por mim ou autorizadas por mim. Nada do que eu disser hoje vai mudar o sentimento do torcedor. Eu errei tentando acertar com base nas informações e nos recursos que eu tinha – disse o dirigente.

Em seguida, ele pediu um voto de confiança para recolocar o Bahia na Série A.

– A gente conhece as pessoas no momento do fracasso, e o torcedor vai ver agora um presidente que assume seus erros, mas também um presidente que pode colocar o Bahia de volta na Primeira Divisão – disse.

Por fim, deu uma cutucada na arbitragem do Brasileirão.

– Foi um campeonato atípico, a proximidade dos clubes foi imprevisível, a gente viu erros de arbitragem. Nos últimos sete jogos, nós tivemos cinco lances polêmicos contra e apenas um a favor, contra o Cuiabá. Eu não coloco a responsabilidade na arbitragem, mas houve erros. O Bahia se acostumou a ver coisas misteriosas nesse campeonato, com adversários diretos enfrentando times reservas – finalizou.

O técnico Guto Ferreira também lamentou demais a queda do Bahia.

– Assim como eu participei de alguns momentos felizes com o Bahia, hoje eu passo o momento mais triste no comando do Bahia. Trabalhei da melhor maneira possível, procurei soluções, tivemos coisas boas; outras, nem tanto. Infelizmente, tivemos hoje essa derrota, que selou nosso descenso. O que nós fizemos, se tivesse um percentual da competição toda, teria um Bahia com 50 pontos. Mas, naquele momento que a gente assumiu, a gente teria que terminar com um percentual de 48%, 50% – afirmou.

Abaixo, outros trechos da entrevista do treinador:

Polêmicas de arbitragem“Algumas coisas não se explicam, a desculpa que a CBF pediu quando houve erro contra o Juventude, quando houve erro contra o Flamengo, contra o São Paulo, no jogo passado e, mesmo assim, conseguimos vencer. Algumas coisas que acontecem e hoje aconteceu novamente. Pedir desculpa de novo, o Bahia está na Série B. O jogo do Juventude, que era pênalti ou expulsão, a tendência era o triunfo, que colocaria o Bahia com 45 pontos e o Juventude com a mesma pontuação, mas com menos vitórias. O que vai adiantar essa desculpa? Eu estou assumindo as minhas responsabilidades. E essa responsabilidade, quem vai assumir? É um déficit financeiro muito grande, não foi um erro normal, foi um erro embasado com VAR, que dizia que não tinha sido”.

Derrota para o Fortaleza“O jogo foi de momentos do Bahia e momentos do Fortaleza, que praticamente não entrava na nossa zaga, ou seja, estava sob nosso controle. Numa bola parada, conseguimos nosso gol e o jogo estava controlado. Infelizmente, no último minuto e no segundo tempo, foi um jogo mais difícil, porque eles não tinham mais nada a perder, eles apostando, um pênalti duvidoso e fora de contexto gerou todo esse descontrole nosso e deixamos de jogar. Os últimos 15, 18 minutos de jogo, a equipe já estava rifando a bola e indo fora de controle”.

Quantos erros corrigir para o acesso?“Não é o momento de avaliar, é o momento de avaliar o jogo, a queda. O que vai acontecer é coisa interna, não vai somar nada. Com certeza, houve erros”.

Avaliação do rebaixamento“Triste, eu não esperava. Trabalhamos, tivemos questões nossas, assumimos nossas reponsabilidades, e tiveram outras questões”.

Você pediu para o time recuar?“O jogo estava controlado. A gente não tinha empurrado o time adversário, mas tivemos a oportunidade de fazer 2 a 1 e depois de fazer 2 a 2”.

OS GOLS DA ÚLTIMA RODADA DO BRASILEIRÃO

A CLASSIFICAÇÃO FINAL:

OS RESULTADOS DA ÚLTIMA RODADA:

OS CLASSIFICADOS PARA A LIBERTADORES:

E OS CLASSIFICADOS PARA A SUL-AMERICANA

Leo Santos
Leonardo Santos é jornalista esportivo com passagens por grandes jornais do Brasil como Lance e Grupo Globo. Escreve para o Apostagolos desde 2021.