18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Fórmula 1 poderia fazer pit stops no estilo da Fórmula Indy, diz Emerson Fittipaldi

Emerson Fittipaldi é um dos gigantes do automobilismo brasileiro
Emerson Fittipaldi é um dos gigantes do automobilismo brasileiro. Foto: IMAGO / CTK Photo

Após um agitado GP de Mônaco, o bicampeão de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi comentou sua opinião sobre a corrida e muito mais.

Em entrevista ao site VegasInsider.com, o brasileiro comentou que a Fórmula 1 poderia adotar pit stops no estilo da Fórmula Indy. Além disso, elogiou o trabalho do piloto Sergio ‘Checo' Perez.

Confira os destaques do bate-papo:

No GP de Mônaco, vimos uma estratégia realmente questionável da Ferrari para Charles LeClerc. Onde você acha que eles erraram?
Para mim, é muito difícil uma equipe de dois carros ter apenas um lugar para o pit stop.

Na minha experiência, cada carro tem seu próprio lugar na Fórmula Indy. E acho que o que aconteceu, Carlos Sainz entrou e eles pediram para Charles (LeClerc) entrar. Eles dizem ‘fique de fora' porque perceberam que ele estava tão perto.

Teoricamente, eles precisam de dois lugares para parar os carros de F1 e as equipes. Então não haverá conflito.

Eu sei que é o sistema que eles têm na Fórmula 1 e eu respeito. Mas foi o que aconteceu. Se dois carros vierem ao mesmo tempo, é um problema. O segundo carro pode atrasar e foi o que aconteceu.

Checo Perez ficou muito emocionado após a vitória em Mônaco. Depois do que aconteceu na Espanha, você acha que isso foi um prêmio de ‘consolação' da Red Bull para ele?
Checo Perez foi extremamente rápido em Barcelona e depois em Mônaco, desde o primeiro dia. Ele merecia estar lá e estava lá por causa de sua velocidade. Ele foi mais rápido que Max na qualificação. Ele estava dirigindo rápido na corrida.

Pela forma como a corrida se desenvolveu, ele foi o vencedor e mereceu. Ele sofreu uma tremenda pressão de Carlos Sainz e de Max, mas seu desempenho foi superior.

Ele teve dois grandes prêmios, o GP da Espanha e Mônaco. E eu sei o quão difícil é não cometer um erro em Mônaco, sob uma pressão tremenda. Em um ponto, ele estava tentando salvar os pneus e Carlos estava bem em cima dele.

Quero parabenizar Checo Perez, porque ele foi o Mestre de Mônaco, com certeza. Ele foi rápido nos treinos, rápido na qualificação, rápido na corrida. E venceu sob enorme pressão e sem cometer um erro sequer.

Esta é a melhor vitória da carreira de Checo. É uma vitória fantástica para o México, o GP do México é muito grande.

É bom para a América Latina. Só temos um piloto latino-americano na Fórmula 1. Antes eram cinco ou seis. Mas agora todos contamos com Checo Perez. Ele fez um excelente trabalho.

Mick Schumacher caiu e Kevin Magnussen teve que parar devido a um problema que causou vazamento de água. A Haas, que começou a temporada tão bem, agora está caindo na hierarquia. Onde você acha que eles precisam melhorar?
O acidente de Mick Schumacher foi um acidente de corrida. Ele estava se esforçando muito e aconteceu.

Foi um incidente de corrida. Ele estava pilotando muito bem, muito rápido. Ele melhorou muito este ano.

Magnussen abandonou por causa do problema com o motor. Mas acho que a Haas está muito forte. Acabou de acontecer em Mônaco com seus dois carros. Eles estão lá, estão muito fortes. Comparados ao ano passado, estão em um nível de desempenho diferente.

Mick Schumacher teve algumas qualificações promissoras nas últimas duas corridas, mas cometeu erros caros na corrida real. Os fãs estão começando a perder a paciência com o piloto alemão. O que você acha?
Acho que Mick Schumacher cometeu um erro. Ele está no limite e aprendendo.

Ele tem bom equipamento, boas circunstâncias e uma boa equipe. Tenho certeza que ele vai se sair bem nos próximos GPs.

Acho que, com o nome, vem uma pressão tremenda para Mick. Como você pode imaginar, ele está correndo sob uma pressão tremenda. Você tem que respeitar isso. Ele está melhorando muito este ano.

Você acha que veremos um piloto fazendo a transição da Indy para a F1 em breve?
Historicamente, tivemos (Juan Pablo) Montoya e Jacques Villeneuve (transição da Indy para a F1). Ambos foram muito bem sucedidos.

Pato O'Ward e Colton Herta, com certeza, são a nova geração na América do Norte. Eles são extremamente talentosos e rápidos. Será interessante vê-los em uma das equipes europeias de Fórmula 1.

As quatro grandes equipes estão reclamando do limite de gastos orçamentários e que não poderão mantê-lo devido à inflação. Quais são seus pensamentos sobre isso?
Acho que o teto orçamentário é muito bom para ajudar as equipes menores.

Na minha opinião, sei que eles podem reclamar, mas devem se adaptar ao novo custo, porque isso ajudará a Fórmula 1 a ser mais competitiva no futuro.

É disso que o show, a F1 e os fãs precisam.

Depois de um forte desempenho em Barcelona, ​​pensava-se que a Mercedes tinha resolvido seus problemas. Você acha que isso é verdade?
Eu acho que eles fizeram uma grande melhoria. Algumas pistas podem se adaptar melhor a um chassi ou a outro.

Vamos olhar para os próximos GPs, como eles vão correr. Porém, em comparação com o início da temporada, eles fizeram uma grande melhoria, com certeza.

A Fórmula 1 é muito emocionante agora. É só pensar na situação atual: Max Verstappen liderando Charles LeClerc que é muito forte este ano está nove pontos atrás dele. E, agora, Checo Perez apenas 15 pontos atrás do líder. Então, existem outros pilotos que podem lutar pelo campeonato.

É disso que a Fórmula 1 precisa. Você precisa de três a quatro pilotos lutando pelo campeonato mundial. Acho ótimo.

É uma grande melhoria, as novas regras, os novos carros…Acredito que a F1 esteja indo na direção certa. Houve grandes exibições, ótima pilotagem.

Em Mônaco, é extremamente difícil ultrapassar. Aconteceu duas vezes comigo, quando estava atrás de Jackie Stewart em 1973 com a Lotus '72. Nos últimos 45 minutos, fui muito mais rápido que Jackie, peguei ele, mas não consegui ultrapassar. Acho que meu nariz estava bem na caixa de câmbio dele e não consegui passar. Tentei tudo o que sabia.

Então, em 1975, eu estava atrás de Niki (Lauda) com a McLaren e foi exatamente a mesma coisa. Eu era muito mais rápido que Niki, peguei a Ferrari dele, mas não consegui ultrapassar. Isso faz parte do jogo em Mônaco.

É muito difícil ultrapassar quando você está em carros semelhantes, porque as áreas de frenagem não são longas o suficiente. A pista é bastante estreita e muito curta. Muitas mudanças de marcha, curvas o tempo todo. É difícil colocar o carro na linha de dentro para ultrapassar.

Acho que foi uma grande corrida de se ver. Quatro carros no final, um perto do outro. Foi uma grande visão na TV, foi um grande GP e novamente Checo Perez mereceu a vitória. Ele foi rápido e foi o mestre de Mônaco no fim de semana.

Marcela Medeiros
50 artigos
Marcela Medeiros é jornalista da área de economia há 10 anos. Trabalhou em grandes veículos de comunicação no Rio de Janeiro, como os jornais Ex ...

Artigos mais recentes