18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Flamengo vence o Atlético-MG por 1 a 0 e deixa o Brasileirão aberto

Michael comemora o gol do jogo
Michael comemora o gol pelo Flamengo. Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

Na jogo mais importante do Brasileirão 2021 até aqui, deu Flamengo. O Rubro-Negro venceu o Atlético-MG por 1 a 0, neste sábado, no Maracanã, com gol de Michael, e deixou o campeonato aberto. Com o resultado, o Fla chegou a 49 pontos, assumiu a vice-liderança e ficou a 10 do Galo, que é líder. O Mais Querido, no entanto, tem dois jogos a menos e pode diminuir essa diferença para quatro pontos.

Saiba como apostar no Brasileirão

Foi um jogo pegado. O Atlético-MG propôs mais o jogo. O Flamengo, um Flamengo bem diferente, apostou nos contra-ataques, e se deu bem. No primeiro tempo, o Rubro-Negro finalizou apenas duas vezes. Em uma delas, saiu o gol. Willian Arão lançou Isla, que cruzou na área. Bruno Henrique subiu mais do que a defesa e tocou para Michael. O atacante dominou bonito e tocou no canto de Everson.

No segundo tempo, o Flamengo até que se soltou mais. Criou mais chances. Quando o técnico Renato Gaúcho viu que o jogo se encaminhava para o final, fechou ainda mais o time. Colocou em campo Thiago Maia, Bruno Viana, Rodinei e tirou o setor ofensivo rubro-negro. E deu certo. O Atlético, pouco inspirado, teve mais volume de jogo, mas criou muito pouco.

– Falei isso para o grupo no vestiário. Tem jogos que você não está bem tecnicamente. E o que nunca vou deixar de cobrar é a entrega. Entrega nós tivemos hoje. A gente enfrentou uma grande equipe, brigamos e conseguimos resultados. Bonito a equipe jogar bem, criar situações e ganhar a partida. Mas nem sempre é possível. O próprio Atlético não teve grande chances de gol. Foi uma entrega grande e conseguimos o resultado que dá condições de continuar brigando no Brasileiro – avaliou o técnico Renato Gaúcho.

Confira mais trechos da entrevista de Renato Gaúcho:

Opinião sobre as críticas“Eu já sou vacinado. Eu não caí de para-quedas no futebol. Não sou contra crítica, só achei no geral as críticas exageradas para todo mundo. Por isso assumi a culpa na quarta-feira. Pode criticar. O que criticou quarta vai nos elogiar amanhã. Faz parte. É paixão. Muitas pessoas gostam do circo pegando fogo, muitas pessoas ganham dinheiro em cima de crítica, no clique. Isso que passei ao grupo: “Sou a fortaleza de vocês, o muro de vocês”. Pode bater em mim à vontade”.

Maratona de jogos“Não vai mudar em nada a nossa maneira de trabalhar, até porque, pelo menos no meu pensamento, não é só nesse mês que vamos jogar a cada três dias, estamos jogando há muito tempo, e a cada três dias uma decisão. Então as pessoas não podem olhar só para frente, tem de olhar um pouco para trás. Tem pessoas inteligentes aqui dentro, temos trocado ideias, estamos na briga pelo Brasileiro e enquanto tiver chance, vamos brigar”.

Entregou o cargo após a eliminação na Copa do Brasil?“Tem coisas que eu prefiro que fique internamente. Sempre converso bastante com o Braz (Marcos Braz, vice de futebol), o Bruno (Spindel, diretor de futebol), são pessoas que estão diariamente e nos ajudam bastante, o Flamengo precisa muito dessas pessoas, troquei algumas ideias com eles, mas não quero entrar em detalhes. Também tive uma conversa muito boa com o presidente no CT. Mas prefiro que fique entre quatro paredes. São pessoas que precisam ouvir o que tenho a falar, e para poder escutá-las também”.

Gabigol “Não vejo problema com o Gabriel. Tem treinado, se dedicado, é profissional. Todo jogador tem uma fase que não é tão boa. Aconteceu um tempo atrás com o próprio Pedro. Eu falei para ele (Gabriel), que estava todo mundo falando que o Pedro estava 10 jogos sem fazer gol. Falei para ele: “tranquilidade, calma, não vai desaprender”. E ele começou a fazer gols. A mesma forma o Gabriel. Daqui a pouco a bola vai cair para ele, e ele vai fazer gols, e ainda vai nos ajudar bastante”.

Críticas ao departamento médico“Eu sempre falo para vocês que nós temos pessoas inteligentes dentro do clube que troco bastante ideia. Sempre troco ideias com o Juan, com o Fabinho. São pessoas que eu tive o prazer de jogar com eles, e eles estão no dia a dia com a gente. A gente sempre procurar fazer o melhor para o clube. Tem muita gente, eu falo, que pega alguma coisa, joga no ventilado, fala alguma coisa lá fora sem ter as informações de dentro. O Flamengo é muito grande, e tem uma pressão para todos os profissionais. Se tem alguma coisa que precise corrigir ou mudar, nós profissionais do Flamengo mudamentos internamente”.

David Luiz“A gente tem conversado bastante, ele está seguindo risco o que foi determinado. Ele está bem, já está treinando com o grupo, o torcedor pode ficar tranquilo que já já estará em campo”.

Ramon“Todo jogador que está no Flamengo é titular e reserva também. Eu tenho um grupo e nunca vou falar que este jogador é titular ou reserva imediato. São fases. Tenho 3 bons laterais. O Filipe Luis é um dos melhores laterais do mundo. É muito inteligente.Tenho s 2 bons que jogam na mesma posição, que é o Rene e o Ramon e preciso dos três. Como do outro lado tenho Matheuzinho, isla e Rodinei. Nem todo mundo vai poder jogar todos os jogos. Tenho um grupo e dependendo do que a gente precisa vai jogar A, B ou C”.

Torcida“O torcedor está de parabéns. Na quarta dei razão para o torcedor. É paixão, ele quer ganhar sempre. Mas nem sempre é possível. Por isso tem profissionais no clube. A gente precisa pensar. o torcedor reage só com o coração. Tem hora que o resultado não aparece e o torcedor cobra. Hoje o torcedor foi fantástico, essa energia a gente precisa. enquanto tiver chance a gente vai atrás. Hoje, foi uma demonstração, entrega muito grande. Brigamos com adversário poderoso, líder do brasileiro, na final da copa do brasil. Hoje medimos força e saímos vencedores, porque tivemos essa energia”.

Léo Pereira“A gente treina o Léo como a gente treina o grupo todo, para fazerem o melhor deles. O jogador não entra para jogar mal. Todo jogador entra para dar o máximo de si, para ajudar o time. Alguns jogadores jogam determinados jogos melhor, mas assim é o futebol. A gente não vai treinar um, dois, três ou metade do grupo para jogar determinado jogo bem. A gente treina o grupo no dia a dia sempre que tem tempo, está difícil de arrumar, para darem o máximo. Não é só o Léo Pereira não, mas a gente fica muito feliz quando o jogador vai para o campo e joga bem, mas trabalhamos o grupo todo”.

A entrevista completa de Renato:

Os resultados de sábado do Brasileirão:

Leo Santos
Leonardo Santos é jornalista esportivo com passagens por grandes jornais do Brasil como Lance e Grupo Globo. Escreve para o Apostagolos desde 2021.