18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Ferrari tem capacidade para melhorar, diz Emerson Fittipaldi

Emmerson Fittipaldi
Emmerson Fittipaldi fala sobre o desempenho da Ferrari na temporada Foto: Divulgação

Após agitado Grande Prêmio do Azerbaijão, domingo, Emerson Fittipaldi, bicampeão da Fórmula 1, deu suas impressões a respeito da corrida em Baku em entrevista ao site Vegas Insider. O brasileiro ainda comentou o que espera no Grande Prêmio do Canadá, que acontecerá domingo, em Montreal.

A Ferrari viveu pesadelo em Baku – não apenas Charles LeClerc e Carlos Sainz abandonaram a corrida, mas também outros carros com motor Ferrari, como a Haas de Kevin Magnussen e a Alfa Romeo de Zhou Ganyu, não terminaram a prova devido a problemas no motor. Você acha que a Ferrari será capaz de resolver isso antes de Montreal?

Vi treino, qualificação e corrida. Eles têm um problema, com certeza. Não sei se são os motores, o turbo, o sistema elétrico, mas parece que pela fumaça algo de quebra no motor. Eles têm muito pouco tempo para tentar resolver esse problema já em Montreal. No Azerbaijão, a Ferrari foi extremamente rápida e LeClerc fez um trabalho muito bom. Eles são o carro mais rápido, com certeza, mas eles têm um problema.

Para o bem da temporada, espero que a Ferrari consiga encontrar uma solução para isso, porque este é o ano em que eles estão extremamente competitivos. Seria uma pena se eles não encontrassem uma saída, porque isso tornará o campeonato tão emocionante, tendo Red Bull e Ferrari disputando o título.

A capacidade e a tecnologia que a Ferrari tem à disposição com certeza resolverão o problema, mas não sabemos quando. Eles têm o conhecimento, têm as pessoas, têm capacidade, têm todos os registros, tudo para resolver o problema. A questão é: quando?

Montreal é sempre um Grande Prêmio muito emocionante porque você tem muitas ultrapassagens lá. Há muita aceleração, baixa potência de frenagem e precisa de frenagem extremamente boa. Vai ser interessante ver.

Novamente tivemos um momento de controvérsia na Red Bull, onde Christian Horner teve que intervir no rádio da equipe e dizer “sem brigas” para Max e Checo. Você acha que isso foi justificado?

Estou muito feliz por Checo Perez estar se apresentando tão rápido e tão bem. Ele se adaptou à equipe, se adaptou ao carro, se adaptou aos engenheiros. Seu desempenho tem sido muito rápido. E fiquei surpreso com o que aconteceu na corrida. De repente, ele perdeu muita velocidade em comparação ao Max.

É muito interessante para os fãs de corrida ver o Checo desafiar Verstappen. Aconteceu este ano em alguns GPs e vai acontecer nos próximos também. E com certeza Christian e a Red Bull ficam preocupados quando os dois estão correndo juntos tentando passar um pelo outro, tentando competir um contra o outro. Você sabe que tudo pode acontecer naquele momento.

Lewis Hamilton reclamou de problemas nas costas após a corrida e Toto Wolff comentou que Hamilton poderia perder o Grande Prêmio de Montreal. Você acha que Hamilton vai perder o GP? De alguma forma você vê a Mercedes resolvendo esse problema que os atormenta durante toda a temporada?

Se você olhar, aconteceu com a Mercedes e até com a Ferrari. Na Mercedes, é mais evidente. Todo carro tem (porpoising), mas o da Mercedes é mais evidente. Eles têm isso desde o início do ano. Quando você olha a câmera de bordo com os capacetes, você consegue imaginar o pescoço e as costas do piloto sofrendo com o impacto. O problema está causando um impacto nas costas, com certeza.

Tenho certeza de que Lewis está sentindo muitas dores, mas acho que com a medicina moderna eles podem ajudar Lewis a correr novamente na sexta-feira em Montreal.

A Mercedes está lutando contra esse problema desde o início da temporada, mas ele ainda está aí. Às vezes, em algumas pistas, é maior porque depende muito da relação de velocidade da suspensão, mas parece que a maioria dos carros está apenas trabalhando nos pneus, nem mesmo na suspensão.

A suspensão funciona no mínimo, é uma suspensão quase sólida, mas é um problema técnico difícil de resolver porque é quando o carro fica preso no chão e você perde a pressão e começa a subir e descer.

Mais um pódio para George Russell. Enquanto ele merece aplausos por sua direção, há alguma área em que você acha que ele poderia melhorar?

George Russell está indo muito bem. Acho que ele tem experiência suficiente na Fórmula 1 agora. Vindo da Williams, a Mercedes é muito mais rápida, melhor que a Williams. Então ele está empenhado em fazer bem o seu trabalho, está focado e, para minha surpresa, está indo bem. Esse é outro desafio para Lewis, porque é o que eu chamo, o jovem leão está a bordo.

Olhando para o que aconteceu em Baku, você acha que a Red Bull é uma clara favorita para o GP de Montreal?

Acho que a Ferrari, para mim, é a favorita em Montreal. Mais do que as Red Bulls, as Ferraris foram um pouco mais rápidas. Mas os Red Bulls estão lá, eles são rápidos, estão ganhando, estão liderando o campeonato.

Em Montreal, temos muitos pontos de frenagem fortes. Uma curva realmente rápida não existe. São freadas tão fortes que você pode acabar girando o carro e saindo da pista. O segredo lá é o quanto você pode frear tarde, o quanto você pode acelerar o carro, quanta potência pode ser aplicada aos pneus traseiros para sair das curvas.

Se você olhar para o histórico da corrida, Montreal sempre tem o fator chuva. Tem uma estatística muito forte de chuva. Sempre tem chance de chover e isso pode mudar o resultado completamente.

Diana Figueiredo
157 artigos
Diana Figueiredo é jornalista há mais de 15 anos, carioca e, atualmente, mora em Paris, na França Trabalhou no Jornal Extra e no Jornal O Globo de ...

Artigos mais recentes