18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Djokovic perde na Justiça e está fora do Aberto da Austrália

O tenista Novak Djokovic foi definitivamente banido do Aberto da Austrália. Após o último julgamento, ficou decidido que o sérvio permanecerá com seu visto cancelado e não poderá disputar a competição. O motivo: ele chegou ao país sem ter tomado a vacina contra a Covid-19. Vale frisar que Djoko é o atual campeão do torneio e iria buscar seu 21º título do Grand Slam. Além de ser deportado do país, Djokovic ainda terá que arcar com todos os custos do julgamento, que teve a duração de quase nove horas.

Conheça os melhores sites de apostas esportivas

A estreia do tenista no Australian Open estava programada para acontecer nesta segunda-feira (17), e seria contra o seu compatriota Miomir Kecmanovic. O horário da partida ainda constava como indefinido e só seria confirmado caso o número 1 do mundo estivesse apto para participar do torneio, ou seja, com o visto regularizado.  

A primeira tentativa para manter a realização da partida foi feita na última sexta-feira (14), após Alex Hawke, ministro dos Serviços a Imigrantes, cancelar o visto de Djokovic por ele ainda não ter se vacinado. O atleta entrou com um recurso na Justiça para tentar permanecer na Austrália e disputar o Grand Slam.  

Apesar do seu visto ter sido revogado, a deportação do tenista não chegou a ser autorizada imediatamente. A definição sobre o destino de Djokovic ficou em aberto por causa desse julgamento, que aconteceu na cidade de Melbourne por um júri pertencente à Corte Federal. James Allsop, Anthony Besanko e David O’Callaghan foram os juízes responsáveis pelo veredicto final.  

No julgamento, o advogado do governo australiano, Stephen Lloyd, utilizou o argumento de que o fato de Novak Djokovic estar na Austrália poderia ser uma influência para outras pessoas, por se tratar de uma celebridade mundial. No ponto de vista de Lloyd, o sérvio poderia estar passando uma visão antivacina para o mundo.  

O advogado ainda argumentou que o ministro da imigração, Alex Hawke, não precisava provar que Djokovic estava sendo uma influência negativa para cancelar o seu visto de permanência no país.  

Em contrapartida, a defesa do tenista afirma que o número 1 do mundo não fez nenhuma campanha contra a vacinação, mesmo tendo se manifestado publicamente contra a obrigatoriedade da vacina contra a Covid-19. Para participar do Aberto da Austrália, os atletas precisam comprovar a imunização. Djokovic conseguiu uma autorização de exceção médica para tentar garantir sua presença no Grand Slam. Ele alegou ter sido infectado pelo coronavírus em dezembro.  

Na última quarta-feira (12), o tenista admitiu não ter cumprido a quarentena após testar positivo para o vírus e que ocorreu um erro ao preencher o formulário apresentado à imigração. A revista alemã “Der Spiegel” chegou a duvidar sobre a veracidade dos exames do atleta.  

Sem o número 1 do mundo, o Australian Open seguirá normalmente sua programação. O substituto do sérvio no Grand Slam será um tenista que foi derrotado na fase qualificatória do torneio. Apesar de Djokovic estar fora da competição, a organização do evento ainda não se pronunciou publicamente sobre a decisão da justiça australiana.    

Leo Santos
865 artigos
Leonardo Santos é jornalista esportivo com passagens por gra ...

Artigos mais recentes