18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Luisa Stefani e Laura Pigossi vencem dupla russa e conquistam o bronze no tênis olímpico

A história foi escrita, mais uma vez. As tenistas brasileiras Luisa Stefani (23 anos) e Laura Pigossi (26 anos) venceram, neste sábado, as russas Elena Vesnina e Veronika por 2 sets a 1 (4/6, 6/4, 11/9), e conquistaram a medalha de bronze nas Olimpíadas de Tóquio. É a primeira medalha do Brasil no tênis em uma Olimpíada. Que feito espetacular das duas paulistanas.

Saiba como apostar nas Olimpíadas.

– Nunca deixamos de acreditar que podíamos. Quando recebi a ligação, falei para a Luísa que as últimas seriam as primeiras. Ela riu, mas acreditou. Já tínhamos enfrentado todas as adversárias e sabíamos que era possível. A derrota na semifinal foi muito dolorida, parecia que tinham enfiado uma faca no meu peito. Ainda bem que tivemos um dia para descansar. Tivemos um jogo difícil contra as russas. A Lu teve um ano incrível e queria dar isso para ela, joguei muito por ela, que está levando o tênis do Brasil para outro patamar – disse Laura Pigossi.

– Não caiu a ficha do quanto é importante. O importante é o feeling de entrada. Entramos aos 45 do segundo tempo e viemos com o sentimento de dar tudo para representar o tênis do Brasil da melhor maneira e levar essa medalha para casa. Esse sentimento é mútuo de compartilhar esse momento especial – afirmou, em seguida, Luisa Stefani.

A história da dupla é espetacular. A princípio, elas não disputariam as Olimpíadas. Receberam o convite de última hora por conta de desistências. Venceram, ao longo da campanha, diversas duplas favoritas. E, no jogo do bronze, viraram o placar de forma espetacular. As brasileiras perderam o primeiro set. Se recuperaram no segundo. No super tie-break, perdiam por 9 a 5, mas conseguiram virar para 11 a 9.

A melhor campanha do Brasil no tênis olímpico era de Fernando Meligeni. Em Atlanta-96, ele ficou com o quarto lugar. Luisa Stefani, vale lembrar, é a número 23 do mundo no ranking da WTA de duplas. Laura Pigossi, por sua vez, não aparece nem entre as 300 primeiras. No ranking individual, ela é a número 188.

Bruno Fratus conquista o bronze nos 50m livre, na natação

Ele bateu na trave em duas Olimpíadas. Quarto lugar na final dos 50m livre em Londres-2012, sexto lugar na final dos 50m livre no Rio de Janeiro em 2016. Neste sábado (domingo no Japão), chegou o dia de comemorar. Aos 32 anos, Bruno Fratus conquistou a medalha de bronze na final dos 50m livre das Olimpíadas de Tóquio (21s57). Ele só foi superado pelo francês Florent Manaudou, medalha de prata com o tempo de 21s55, e pelo americano Caeleb Dressel, medalha de ouro com o tempo de 21s07, novo recorde olímpico.

– (O grito) está entalado desde 2011, quando disputei meu primeiro mundial. Depois, 2012 aquela Olimpíada do quase. Depois do Rio principalmente. Foi um grito de finalmente medalhista olímpico – disse Fratus.

– Realizei meu sonho que começou quando eu tinha 11 anos de idade e não teria sido sem o suporte, o amor, a amizade de todo mundo que está até agora do meu lado e não abriu. Sem a palavra de quem duvidou. Essa é para vocês também! – acrescentou, em seguida.

Bruno Fratus reafirma a tradição do Brasil nas provas rápidas da natação. Já fomos medalha de ouro nessa prova com César Cielo, em Pequim-2008. Fernando Scherer, o Xuxa, já faturou o bronze.

Chegou o seu momento de comemorar, Bruno! Faça a sua festa!

– Se é para deixar uma mensagem é que o Brasil é o melhor povo, o melhor país do mundo. Eu moro nos Estados Unidos faz um tempo e todo mundo paga pau para o Brasil e para o povo brasileiro. A gente é muito capaz. Se permitam ser o povo que a gente pode ser, o país que a gente pode construir – finalizou Fratus.