18+ | Jogue com responsabilidade | Aplicam-se os Termos e Condições | Conteúdo comercial

Brasil encerra as Olimpíadas com mais duas medalhas e faz história

Fim das Olimpíadas de Tóquio e um resultado espetacular do Brasil. Foram 21 medalhas conquistadas (7 medalhas de ouro, 6 medalhas de prata e 8 medalhas de bronze), a melhor campanha da história do esporte olímpico brasileiro, superando a da Rio-2016. Na ocasião, foram 19 conquistadas (7 medalhas de ouro, 6 medalhas de prata e 6 medalhas de bronze).

As duas últimas medalhas do Brasil em Tóquio foram de prata. No boxe feminino, na final da categoria até 60kg, Bia Ferreira foi superada pela irlandesa Kellie Harrington em um combate disputadíssimo. A brasileira venceu o primeiro round, mas perdeu os dois seguintes e ficou com a medalha de prata. Bia teve um ótimo volume de luta, mas acertou menos socos do que a irlandesa.

Vale frisar que foi uma final de duas campeãs mundiais. Kellie Harrington foi campeã mundial em 2018, enquanto Bia foi campeã mundial em 2019.

– O atleta sempre quer ganhar. Sabia que estava sendo uma luta parelha. Ela foi superior, mas acredito que foi um belo combate, ela usou a estratégia de anular o meu jogo e não consegui mudar isso. Mas estou feliz de estar nesse pódio, ter conseguido a prata foi muito importante, já que venho participando de campeonatos e em apenas um até hoje eu não consegui estar no pódio. Então, estar aqui tem o mesmo peso, como se fosse ouro. É duro, mas é gratificante ver que eu trabalhei, fiz as melhores escolhas – analisou a brasileira de 28 anos.

A outra medalha de prata do Brasil foi no vôlei feminino. Na final, as meninas da Seleção Brasileira foram derrotadas por uma fortíssima equipe dos Estados Unidos por 3 sets a 0: parciais 25/21, 25/20 e 25/14. Os números mostran o que foi a partida, um verdadeiro passeio das americanas. E devemos admitir. As americanas possuem hoje a melhor seleção de vôlei do planeta.

É a quinta medalha do vôlei feminino brasileiro na história. Antes dessa prata, foram dois bronzes (Atlanta-96, Sydney-2000) e dois ouros (Pequim-2008 e Londres-2012).

– Eu encerro esse ciclo orgulhosa do que a gente fez e feliz com essa prata. [feliz por] Ter tido mais uma oportunidade de jogar os Jogos Olímpicos. Valeu a pena voltar para a seleção e estou muito feliz por ter vivido tudo isso – disse a ponteira Fernanda Garay, que, aos 35 anos, se despediu da Seleção, assim como a líbero Camila Brait.

– Todo mundo que está perto de mim sabe que meu maior sonho era disputar a Olimpíada, agora realizei esse sonho e estou muito feliz. Agora posso ficar tranquila – afirmou ela.